Agora na França

A NÃO
PERDER 

Festivais, exposições, concertos ou outros eventos… Em France.fr, tal como em toda a França, há sempre alguma coisa acontecendo.

O Que Fazer?

Visite
a França 

Visitar lugares culturais excecionais ou fazer caminhadas nas montanhas. Um passeio a dois pela rota dos vinhos ou um cruzeiro com as crianças… Que viagem gostaria de fazer pela a França desta vez?

Notre-Dame de Paris e seus 6 segredos

No centro de Paris, encontramos sua famosa silhueta na Ile de la Cité há mais de 850 anos. E, ainda, esta jóia da arte gótica passou por muitos momentos sombrios, servindo como um bom testemunho da história Francesa. Da Idade Média ao século XX, descubra seis segredos do passado da Catedral de Notre-Dame.
A quinta geração na Ile de la Cité.

A primeira pedra colocada em 1163 para a construção da Notre-Dame de Paris não foi realmente a primeira! Quatro igrejas tiveram sucesso na Ile de la Cité: uma antiga igreja paleocristã do século IV (dedicado à Saint Etienne), uma basílica merovíngia, uma catedral carolíngia e uma catedral romana. Suas pedras foram reutilizadas pelos construtores de Notre-Dame, que, por sua vez, também davam uma segunda vida aos ornamentos. Encontramos, também, a Virgem em majestade no portal de Sainte-Anne, obra-prima da arte romana dos anos 1140-1150!

Napoleão I e Victor Hugo "unidos" para salvar Notre-Dame

Você sabia que a catedral quase desapareceu no século XIX? Devastado pela Revolução Francesa, transformado no templo da Razão (Temple de la Raison) e, depois, em um armazém, o edifício estava tão dilapidado que se considerava destruílo pura e simplesmente. Napoleão (coroado imperador em 1804), e, especialmente, Victor Hugo (com seu grande romance homônimo publicado em 1831) fez
campanha para o resgate de Notre-Dame de Paris! O escritor foi ouvido e, em 1845, um extenso programa de restauração foi confiado ao arquiteto Eugene Viollet-le- Duc.

Os reis sem cabeça para os sans-culottes

Durante a Revolução, as estátuas da galeria dos reis de Judá, acima do portal, desapareceram e foram decapitadas. Os sans-culottes pensavam que eram os reis da França! Em 1977, 21 das 28 cabeças foram encontradas no local de construção de uma mansão no 9º distrito. Enquanto isso, o portal encontrou suas estátuas e favoreceu o programa de restauração. As cabeças originais estão agora em exibição no Museu Cluny (o museu nacional da Idade Média).

Um intruso entre os apóstolos

As estátuas dos 12 apóstolos que cercam a torre da catedral foram todas criadas durante a restauração de Viollet-Le-Duc no estilo do século XII. Mas o arquiteto permitiu-se outra ousadia: representou-se como Saint Thomas contemplando seu trabalho! Para a história, Saint Thomas é o santo padroeiro dos arquitetos ...

Quimeras anacrônicas

Enquanto gárgulas que representam animais fantásticos localizadas sobre as calhas da Idade Média, quimeras que habitam as alturas do edifício nascem da imaginação e interpretação de Viollet-Le-Duc. A mais famosa destas estranhas criaturas do mal, temos: o “Strigoi”, o vampiro insaciável, (alegoria da luxúria, inspirado por uma gravura de Charles Méryon), que tornou-se um dos emblemas da imagem da capital.

Um galo piedoso

O galo que esta posicionado no alto da flecha, completamente reconstruída do século XIX, não é um cata-vento qualquer. Desde 1935, ele contém três relíquias: uma de Saint Denis, uma outra de Sainte Genevieve e um fragmento da Santa Coroa de espinhos relatado por Saint Louis, em 1239. Dom Verdier, então arcebispo de Paris, queria realizar uma proteção espiritual para seus fieis!