"Tutancâmon, os tesouros do faraó" no Villette em Paris

Para comemorar o centenário da descoberta do túmulo do mais famoso dos faraós, o Grande Halle de la Villette em Paris, promove a exposição "Tutancâmon, os tesouros do Faraó", que será aberto de 23 de Março à 15 de Setembro de 2019. Uma oportunidade inesperada para descobrir todas as maravilhas encontradas no túmulo do jovem soberano.

Paris recebe Tutancâmon com grande esplendor! Esta é a oportunidade para os visitantes de Paris admirarem cerca de 150 peças encontradas no túmulo do faraó, cinquenta das quais até agora nunca haviam saídodo Egito. É o Grande Halle dela Villette que apresentará seus tesouros, na exposição“Toutânthamon, os tesouros do faraó”.

“A estátua do Deus Amon que protege Toutânkhamon”, entre as coleções do Louvre

Note que a estátua do Deus Amon protegendo Toutânkhamon, das coleções do Louvre, será apresentada na escala de Paris da exposição. Entre essas peças excepcionais, temos: objetos de rituais, jóias e esculturas que acompanharam o soberano em sua vida e em sua morte.

Uma das maiores descobertas arqueológicas

No antigo Egito, a morte também é um renascimento. É isso que esta exposição imersiva busca nos fazer entender. Utilizando uma mediação tecnológica de ponta, o visitante descobre a função desses objetos funerários, bem como o significado do ritual associado à eles. A exposição também retorna à história de uma das maiores descobertas arqueológicas de todos os tempos. Este é um privilegio único para todos os visitantes de todas as idades.

Na sombra do Vale dos Reis – Vallée des Rois

Em 4 de Novembro de 1922, o túmulo de Tutancâmon foi descoberto no Vale dos Reis, às margens do Rio Nilo, em frente a Luxorno Egito. E pode-se dizer que a descoberta do arqueólogo britânico Howard Carter é uma verdadeira sorte para a humanidade! Como vítima do Damnatio Memoriae, ou seja, condenado ao “esquecimento” por seus adversários candidatos ao trono, o jovem Tutancâmon teria sido capaz de “sobrevier” às sombras do Vale dos Reis ... Ironicamente, ele se torna hoje a estrela dos museus internacionais que abrigam esta exposição, começando com a Grande Halle de la Villette.