Vai uma Guavaberry, ai?

Vai uma Guavaberry, ai? Philipsburg fr

Por Bill Fink


Embora algumas vezes pareça que tudo em St. Martin é importado da França, uma fruta nativa continua a angariar fama: a nobre guavaberry (no Brasil, chamada de cambuí vermelho). O pequeno fruto (que não tem relação alguma com a goiaba, embora parte do nome, guava, faça referência a ela) nasce de árvores silvestres que crescem nas colinas centrais da ilha. O frutinho redondo de 12 milímetros amadurece em duas cores diferentes (laranja e preto), mas ambas têm quase o mesmo gosto: um pouco amargo, um pouco doce, só não se esqueça de cuspir a semente.

Mesmo sendo tradicional da ilha há pelo menos 200 anos, a guavaberry nunca foi cultivada em fazendas – e isso faz parte da mítica desta pequenina fruta. Obter um cesto cheio delas pode requerer um dia inteiro e até mesmo uma semana de procura pelas colinas na esperança de encontrar uma árvore carregada. As árvores parecem ter entrado no clima da ilha, pois não há estação exata do ano em que se pode dar a colheita como certa.

guavaberry é usada para fazer geleias, sucos, pães, tortas e bolos. E também como guarnição em pratos. Mas sua utilização mais popular é, de longe, no licor. Ele é tão conhecido que é simplesmente chamado Guavaberry. Até recentemente a bebida era caseira, uma infusão de frutas em garrafas de rum com uma boa dose de açúcar. O resultado da mistura é uma preparação acre com um forte gosto final picante – mas cada receita pode ter sabor diferente. Alguns moradores costumam enterrar as garrafas no chão para envelhecer a bebida (ou escapar da fiscalização). O licor de guavaberry também é popular como ingrediente em coquetéis, incluindo o guavaberry colada e um guavabery kir, em que um jato do licor é derramado num copo gelado com champanhe.

A frutinha é rica em vitamina C, portanto você pode considerar seu drinque saudável. O licor tem sido uma tradição natalina há gerações. Cantores de corais podem ser recompensados com goles da bebida oferecidos em cada casa visitada após entoarem o tradicional refrão: “bom dia, bom dia, eu vim pegar minha guavaberry”.

Hoje, visitantes também podem ir a St. Martin para provar a  guavaberry de diversas maneiras. Geleias e garrafas do licor são vendidas no mercado Marigot, realizado todas as quartas e domingos perto do porto. Uma família de produtores do rum chamado MaDoudou comercializa seus produtos, incluindo rum de guavaberry, em garrafas pintadas a mão.

 No lado holandês da ilha, o Empório Guavaberry, na rua Pittsburgh, oferece todos os tipos de licores, geleias e molhos feitos com a frutinha. Visite a Loterie Farm na área central da ilha para um tour botânico e veja as árvores em seu hábitat, algumas com 15 metros de altura. Se tiver sorte, elas estarão exibindo flores rosadas e brancas. Então volte para o bar da Loterie e tome seu coquetel. Fique à vontade para manifestar cantando sua satisfação.