Um breve histórico da comunidade Judaica na França

Um breve histórico da comunidade Judaica na França

A história dos judeus na França começa a cerca de dois milênios, depois que os romanos conquistaram uma área que hoje é conhecida como Paris. Há alguma evidência de que pequenos assentamentos judaicos existiram em Metz, Poitiers, e Avignon. Mas a evidência física e sólida começa realmente no século 5 com pequenas comunidades judaicas na Bretanha, em Clermont-Ferrand, Narbonne, Agde, Valence e Orléans. <?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

Desde aquela época a França tem sido um importante centro da vida e de estudos judaicos, fomentada em parte, pela segregação forçada. As cidades de Troyes, Narbonne, Perpignan e Paris eram conhecidas nos mundos judaicos e cristãos, por seus rabinos e interpretes da Torá e do Talmude, por escritores e compositores da literatura judaica e da liturgia. Entre esses estudiosos havia um homem, que ainda é considerado um dos melhores de todos os tempos, o rabino Solomon Ben Isaac (1040-1105), conhecido na história judaica pelo acrônimo RASHI.

Além de dar ao mundo judaico alguns de seus maiores estudiosos, a França e a sua comunidade judaica deram ao mundo muitas figuras renomadas nas artes, literatura, indústria e política, entre eles Sarah Bernhardt, André Citroën, Jacques Derrida, Darius Milhaud , Leon Blum, Jacques Offenbach, Camille Pissarro, e Marcel Proust.

 

Direitos Civis Judaicos

Mas no final do século 18, sugiram as forças de liberalização. A Revolução Francesa de 1789, mudou para sempre a vida de todos os franceses, incluindo os judeus da França.

A primeira mudança importante veio na forma de direitos civis para os Judeus, uma idéia vigorosamente apoiada por um grupo de cristãos Franceses, entre eles o Abbé  Henri Grégoire (1750-1831), um lutador pela liberdade religiosa que também se opôs aos privilégios especiais do clero e da  nobreza.

 Quando os direitos foram finalmente concedidos aos Judeus, no início do século 19, depois de longas ausências impostas por Paris, os Judeus puderam novamente viver em Paris, assim como em outras grandes cidades. Eles deixaram de ser Judeus da França e tornaram-se franceses.

Com o estabelecimento dos direitos civis judaicos, e a fim de facilitar a integração de judeus em toda a sociedade Francesa, Napoleão Bonaparte convocou uma assembléia de notáveis judeus em 26 de julho de 1806. O objetivo era verificar a compatibilidade da lei judaica e do direito civil francês. Napoleão uma vez satisfeito, reuniu em 1808 um grupo de rabinos e juristas para codificar os direitos civis judaicos; este Consistoire Central des Juifs de France ainda existe como um  órgão do governo para a comunidade judaica da França.Em meados do século 19, os judeus praticamente integrados na vida francesa. Contudo, as turbulências políticas promovidas pela derrota da França na Guerra Franco-Prussiana (1870) teve consequências abrangentes para a França e para seus cidadãos judeus, especialmente durante a ascensão da Terceira República Francesa. Neste período houve aumento do anti-semitismo como forma de dispositivo político, para desviar a atenção das solicitações da sociedade francesa na reforma.

Em 1894, o destino de um judeu Francês, o capitão Alfred Dreyfus, falsamente acusado de traição com base em provas forjadas, quase dividiu a nação. Enquanto alguns franceses o acusavam, outros  lutaram arduamente durante muito tempo para fazer justiça ao seu nome.Dentre eles se destacam :  Georges Clemenceau, Emile Zola, Lucien Herr e Léon Blum -  que em 1936 se tornaria o primeiro primeiro-ministro Judeu da França.  

 

II GUERRA MUNDIAL

Toda a França sofreu durante a ocupação alemã na II Guerra Mundial, e muitos foram mortos, judeus e não-judeus; da população pré-guerra com cerca de 300.000 judeus, apenas 180 mil sobreviveram.

Levou décadas para França aceitar o fato de que alguns dos seus cidadãos colaboraram com a ocupação Alemã. Por muitos anos o tema era um completo tabu. Extra-oficialmente, porém, era um assunto da literatura e do cinema: Marcel Ophuls 'Le Chagrin et la Pitié' (A Dor e a Piedade) e Hôtel Terminus, mais tarde um filme sobre Klaus Barbie, conhecido como o carniceiro de Lyon; filme de Alain Resnais Nuit et Brouillard (Noite e Nevoeiro), que foi proibido pelo governo, até as referências na cumplicidade Francesa para a deportação de judeus foram eliminadas, e o filme de 1976 Chantons sous l'Occupation (Canto Sob a Ocupação) por André Halimi, sobre o papel de artistas franceses durante a guerra.

Finalmente, em 1995, logo após sua eleição, o Presidente Jacques Chirac discursou  no memorial recém-criado para as vítimas de 1942 - Vélodrome d'Hiver em Paris. Local onde  milhares de judeus foram levados para morrer em campos de concentração, o Presidente Chirac reconheceu publicamente o que a França e alguns de seus cidadãos, tinham feito a outros cidadãos franceses durante a Segunda Guerra Mundial.

Com mais de 600.000 pessoas, a comunidade Judaica na França é hoje a terceira maior do mundo.