Os melhores lugares para se comer em Paris

  • Os melhores lugares para se comer em Paris

    Os melhores lugares para se comer em Paris

  • Os melhores lugares para se comer em Paris

    Os melhores lugares para se comer em Paris

Os melhores lugares para se comer em Paris Paris fr

Não nos admira que algumas pessoas viajem para paris, de todas as partes do mundo apenas para festejarem. A cidade vive inteiramente para sua generosa velha reputação de algumas das mais requintadas culinárias do planeta (na França, a supremacia gastronômica vive com Lyon), e é lar base para alguns dos maiores superstars culinaristas, como Alain Ducasse, nomes de destaque até para os não gourmets.

Ao mesmo tempo, a cidade tem até mais restaurantes, onde você pode curtir refeições menos sofisticadas e caras, mas ainda memoráveis, de restaurantes aconchegantes dos arredores (algumas das quais são clássicos históricos e atmosféricos) para o crescente troféu da culinária mundial (veja “Comendo o Mundo em Paris”).

A seguir há dez proeminentes, velhos e novos, exorbitantes e econômicos, em ordem alfabética:


Alain Ducasse no Plaza Athénée 
25, Avenue Montaigne - 8º distrito
Tel: 33.01.53.67.65.00
www.plaza-athenee-paris.com/restaurants_bars/alain.html 

Um grandioso espaço, recentemente redesenhado (e aquele candelabro de cristal Swarovski é o máximo!!!) em um grandioso hotel com grandiosos três prêmios Estrela-Michelin, desde 2004 tem sido habilmente administrado por Ducasse que por bom tempo foi assistente de Christophe Moret. Ele e seu time fazem um trabalho esplêndido com as especialidades da casa, como langoustines com caviar e crème fraîche cítrico, ou galinhas Bresse com recheio de cenouras e trufas pretas Piedmont, com pratos sazonais, como um delicioso cordeiro com cogumelos sautée e alcachofras, ou rodovalho em molho de vinho tinto com cogumelos, bacon, enguia defumada e cebola em pedaços.
Com garçons bem treinados que ultrapassam o número de clientes, a atenção aos detalhes é quase impecável, então se você pretende comer uma refeição em Paris, este é certamente um excelente candidato. 

  

Crémerie-Restaurant Polidor
41, Rue Monsieur le Prince - 6º distrito
Tel: 33.01.43.26.95.34
http://restaurantpolidor.info

Em direção oposta ao topo de seu budget, este bistrô histórico (1845) e charmoso de fachada de madeira na parte Odéon do bloco latino oferece um delicioso misto de culinária francesa caseira e extremamente satisfatória da forma que a vovó faria.
Experimente a sopa de lentilhas ou abóboras, o filé ao estilo provençal, ou pato açucarado, e para sobremesa, quaisquer das tortas vão surpreender seu paladar Como você esperaria, a decoração é ao estilo escola antiga também, paredes forradas com madeira, cortinas de renda e assoalhos de azulejo pintado, da mesma forma de quando Ernie Hemingway, Andy Gide, Art Rimbeaud, e Jimmy Joyce eram estudantes.
Cuidado!: seus preços moderados significam que o Polidor ainda tem alunos seguidores leais e artistas famintos, e você provavelmente terminará sentado a uma mesa com outras pessoas, então não é necessariamente a melhor escolha para um jantar a dois.


Dans le Noir?
51, Rue Quincampoix - 4º distrito
Tel: 33.01.42.77.98.04
www.DansLeNoir.com

E agora para algo completamente diferente… Em uma travessa perto de Les Halles, “No Escuro” serve comida saborosa para qualquer paladar a La carte com opções de canneloni, pesto risotto, salmão grelhado em fondue de tomate, e peito de pato com figos assados em molho de cereja.
A parte completamente diferente é que você não vê nada disso, pois você é conduzido para dentro a sentar-se em um salão de jantar negro e escuro por uma equipe de garçons (e felizmente falantes de inglês) cegos.
Enigmático? Sim, mas fascinante por outro lado. Você tem que explorar seus outros sentidos: audição, toque e acima de tudo, paladar.
Então, e se você derramar vinho em seu colo ou furar seu rosto com um garfo (apenas brincadeira)?
É uma experiência inesquecível (e considere todas as oportunidades de expandir sua mão boba e pé bobo!), e nós garantimos que você contará aos seus amigos e familiares por meses.


Dominique Bouchet
11, Rue Treilhard - 8º distrito
Tel: 33.01.45.61.09.46
www.dominique-bouchet.com/uk/navigation.htm   

Recentemente, muitos chefes candidatos à premiação têm jogado seus toques (chapéus usados por chefes de cozinha) e trocado suas estrelas Michelin por restaurantes mais modestos, que os permitem saírem da pressão brutal e fazer o seu negócio ser mais voltado a comida em si novamente.
E, Dominique Bouchet, famoso por Tour d’Argent e Hôtel de Crillon, pode ser o mais notável.
O restaurante de Bouchet tem ultimamente recebido fúria universal por sua especialidade em assumir a culinária da burguesia e seu agradável salão de jantar em tons orquídea com paredes de tijolos à vista e com fachada frontal escura.
O cardápio pode causar uma incerta surpresa ou duas (como a perna do carneiro, cozida em banho Maria por sete horas em um molho temperado com caramelo e grãos de cacau), mas é tudo bom, como eles dizem. Reserve com quilômetros de antecedência.


La Coupole
102, Boulevard du Montparnasse - 14º distrito
Tel: 33.01.43.20.14.20
www.flobrasseries.com/coupoleparis/en  

Na margem esquerda, este  é o maior salão de jantar francês, com decoração artística, com 450 lugares realçados por dúzias de colunas com afrescos verdes e piso de azulejos de aparência estranha.
Você pode não ver equivalentes atuais de hábitués do  Coupole como Man Ray, Josephine Baker, Ernest Hemingway e Pablo Picasso. Mas ainda é top para aquele agitado, às vezes agressivoambiente de cervejaria.
Peça um imenso prato de frutos do mar, filé tártaro, ou um saboroso cordeiro curtido indiano.
Veja pessoas, para contento de seu ânimo e apenas aprecie muito esta experiência fundamental parisiense.
Depois, desça até o porão, onde Josephine costumava cantarolar; há ainda uma dança popular para você pode chacoalhar seu quadril na salsa, house e disco music em algumas noites por semana.


L’Astrance
4, Rue Beethoven - 16º distrito
Tel: 33.01.40.50.84.40 

Pode ser sempre tão levemente “fora do caminho”, lá na décima sexta, perto do Bois de Boulogne, mas depois de oito anos, a pequena boate de 35 anos de idade de Pascal Barbot, levemente contemporânea e prateada, ainda tem um crédito justo na cobiça da população desta cidade.
É o tipo de lugar onde você quer dar total atenção aos pratos, como sua marca registrada o ravióli de abacate e siri, ou à salada de flores comestíveis.
Peça pelo cardápio de degustação surpresa, se você se atrever. Bem, Michelin garantiu à Barbot uma terceira estrela em 2007, então o cara deve estar fazendo alguma coisa certa.
L’Astrance fica fechado aos finais de semana e às segundas, e você precisa reservar um lugar com bastante antecedência.


Les Ambassadeurs
No Hôtel de Crillon
10, Place de la Concorde, 8º distrito
Tel: 33.01.44.71.16.16
www.crillon.com/crillon.html

Geralmente, chamado do salão de jantar mais belo da cidade (em um tipo de Belle Époque extraordinária), atraente cavalo de guerra é um dos hotéis mais famosos mundialmente e tem uma nova chance na vida (sem contar que em 2007 recebeu duas estrelas Michelin) com a chagada em 2004 de seu atual chefe de cozinha, Jean-François Piège, que com 34 anos já tinha conduzido o restaurante do Plaza Athénée para Alan Ducasse.
Desde então, Jean tem sido celebrado entre umas e outras voltas suas pela fantástica culinária clássica francesa, e algumas vezes até apresentações teatrais, como uma versão estilosa de ovos florentinos com gemas ornamentadas com trufas em uma casca crocante comestível.
Não perca também sua marca registrada o “langoustine fritter”, acompanhado por caviar e essência de langoustine.
Culinária impressionante, lugar impressionante e conta também impressionante (quase monumental). 


Mon Vieil Ami
69, Rue Saint Louis en l’Île, Île Saint Louis - 4º distrito
Tel: 33.01.40.46.01.35
www.Mon-Vieil-Ami.com

“Meu Velho Amigo”, de Antoine Westermann, que usa óculos, é um exemplo explêndido destes novos bistrôs sobre os quais você tem escutado ultimamente.
Com 40 lugares em uma alameda de paralelepípedos na Île Saint Louis (no Sena, entre as margens direita e esquerda, depois da Pont de Sully), o salão de paredes de pedra repaginou-se com o estilo meio arborizado, moderno e de classe de Alsace. 
O mesmo onde a panela encontra o fogão. Westermann mostra desenhos da culinária de sua região natal, mas não espere apenas outra pilha fumegante de choucroute. Vegetais e “coisas frescas do mercado” não obsessões gêmeas dele, pratos dóceis como cenouras cozidas à vapor com tâmaras e groselha em um vinagrete temperado (Ah!, com bacalhau assado), ou feijões brancos curados com coentro limão açucarado, com um crocante ombro de cordeiro em suco.
Vale muito a pena, gourmets de todas as idades, locais ou forasteiros, envolvam-se.


Music Hall
63, Avenue Franklin Roosevelt - 8º distrito
Tel: 33.01.45.61.03.63
www.Music-HallParis.com/Parisian-Restaurant.htm

Conheça Georges Jetson…! Você poderia tentar o lugar do showman Valério Berkovics, na área da sofisticada Champs Elysées por sua aparência e sensibilidade de lounge futurista bem estimulante, mas você ficará por lá e talvez até volte para uma boa comida preparada pelo chefe de cozinha Hervé Nepple, uma mistura de Plaza Athénée e Pierre Gagnaire (veja abaixo).
Alguns de seus clássicos (veado e foie grãs com repolho cozido à vapor e maçãs cozidas), alguns internacionalmente inspirados (uma mistura de camarão ao estilo ceviche e escalopes servidos quentes), e alguns completamente divertidos (peito de pato assado com cacau, purê de nabos caramelizados e tagliatelle de chocolate – tipo de macarrão).
Mas é tudo apetitoso, e acima de tudo, o espaço em si é um show à parte, com telas de plasma, iluminação multicolorida e um DJ tocando um misto de musica ambiente pela noite toda (e sinta-se à vontade  para ficar no piano-bar depois do jantar).


Pierre Gagnaire
6, Rue Balzac - 8º distrito
Tel: 33.01.58.36.12.50
www.Pierre-Gagnaire.com

 

 Nosso encantador camarada barbudo é certamente um Pierre sortudo com muito em seu prato nestes dias – chefe de cozinha principal no London’s Sketch, um restaurante extravagante na Hong Kong oriental que se fala mandarim, outro Pierre Gagnaire em Tokyo e um bistrô Rive Gauche chamado Gaya (mais um “posto avançado” em Dubai).
Mas aqui na ponte de comando de tons cinza, desta culinária iconoclasta perto da Champs Élisées, seu time continua a conseguir algumas estrondosas culinárias, freqüentemente envolvendo muitas trufas.
Muitas destas invenções criativas são complexas mini sinfonias de sabor, textura e temperatura (que tal langoustines com maças verdes e chips de banana em uma fondue de cebola doce?).
Reserve com a maior antecedência possível, e cheque mais de uma vez sua conta bancária.


Algumas palavras sobre o autor:

Um jornalista de viagens de longa data e admirador de tudo que é francês, Dave Acton é também o editor das series BabelCom de “phrasebooks” (livro de frases prontas para língua estrangeira) gays, incluindo  Gay French For Love + Hookups (Francês para gays, para amor ou contatos), The Gay Translator (O Tradutos Gay) e Hot! International/Lesbian (Intenso! Internacional/lésbico, que inclue Frances junto com outras seis línguas), L’Anglais Pour Les Gays (Inglês para gays), e Le Dico Gay (O dicionário gay). Cheque estes títulos, bem como seu blog de viagens gays, no site

www.GayBabel.net


 

Mais artigos sobre Paris for the Gay Traveler

Gay Clubbing in Paris

Welcome to Gay "Paree"

Eating the World in Paris

The Glorious Gamut of Paris Shopping

The Dreamy Sleeps of Paris

Paris Gay Village 


 

Calendário

Ponto de interesse