O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

  • O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

    O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

  • O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

    O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

  • O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

    O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

  • O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

    O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

  • O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

    O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

  • O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

    O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi

O Rio Canal Du Midi - Le Canal Du Midi toulouse fr

O Canal du Midi é um canal francês que liga o Rio Garonne ao Mar Mediterrâneo. Originalmente chamado "Canal Real em Languedoc", os revolucionários renomearam para "Canal du Midi" em 1789. Ele é
considerado por seus contemporâneos como o maior projeto do século XVII. Com o Canal lateral da Garonne (canal latéral à la Garonne), ele também é chamado de "Canal dos Dois Mares" (canal des Deux-Mers ), pois fornece um curso de água navegável do Oceano Atlântico ao Mar Mediterrâneo. Ele foi prolongado pelo “Canal du Rhône à Sète”.

Foi o comércio de trigo que motivou a construção do ‘Canal de Midi’. Colbert autoriza o início das obras por um editorial real de outubro 1666. Sob a supervisão de Pierre-Paul Riquet dura entre 1666-1681, durante o reinado de Luís XIV. O Canal du Midi é um dos canais mais antigos da Europa ainda em funcionamento (o protótipo de ser o ‘Canal Briare’). A implementação deste trabalho está estritamente
relacionado com a questão do transporte fluvial nos tempos modernos. O desafio levantado por Pierre Paul Riquet, era para transportar a água a partir da ‘Montagne Noire’ até a ‘Naurouze’, o ponto mais alto do curso.

O alargamento do canal é uma idéia antiga. Numerosos e, às vezes, utópicos foram os projetos imaginados para construir um canal entre o Oceano Atlântico e o Mar Mediterrâneo. Líderes como Augusto, Nero, Carlos Magno, Francisco I, Charles IX e Henry IV tinham pensado, porque é uma verdadeira questão política e econômica. Na verdade, a construção de tal estrutura permite que as embarcações
(de comércio, mas também os barcos do rei) evitem ter que passar pelo mar e ao redor da Península Ibérica. Naquela época, o transporte era repleto de perigos, tais como roubo e barbáries.

O Canal du Midi é usado principalmente pelo turismo, recreação e habitação. Ela atrai cada vez mais o turismo fluvial, navegando em barcos fretados, em barcos-restaurantes ou barcos de passeio. Este turismo se desenvolveu a partir da década de 1960 sobre a impulsão  dos britânicos e mais tarde explodiu na década de 1980. Mais ocupada do que o Sena, que responde sozinho por um quinto do turismo em rios da França, e 80% dos passageiros são estrangeiros, principalmente alemães, suíços e britânicos. Aproximadamente 10.000 passagens de barco por ano passam pela eclusa de ‘Fonséranes’ e o pico da
navegação de frequentação fica n eclusa de ‘Argens’ com 11 mil barcos que transportam uma média de cinco passageiros. O canal é responsável por dar trabalho direto a 1.900 pessoas.

O Canal du Midi também permite a pratica de diversos esportes,  principalmente em áreas urbanas, tais como remo, ciclismo (na ciclovia), patinação ou andando por suas margens. Aproximadamente
50 km de pavimentação entre ‘Toulouse’ e ‘Avignonet Lauragais’ e outros 12 km de extensão entre ‘Beziers e Portiragnes’ são particularmente adequados para andar de bicicleta e patins. Além disso, muitos barcos foram convertidos para habitação familiar, teatros, salas de exposições e salas de jantar.

Desde 1996, ele está na lista de património da humanidade pela UNESCO.

 

Related videos

 
 

Sponsored videos