O Esqui Joëring causa furor nos Alpes franceses

  • It's a lot easier than it looks!

    It's a lot easier than it looks!

    © Terry Ward

O Esqui Joëring causa furor nos Alpes franceses La Clusaz fr

 Por Terry Ward

 

Se você sabe esquiar de forma tradicional, então está pronto para praticá-lo  puxado por um cavalo trotando! Em todos os Alpes franceses, essa variação escandinava do rei dos esportes de inverno, o joëring, ganhou ar de nobreza por se tornar uma das atividades de montanhas mais excitantes e mais concorridas.

Uma nova maneira de se divertir apareceu nos Alpes franceses.  Mas, para dizer a verdade, ela é muito antiga! Chama-se esqui joëring . Se você pode se imaginar praticando o esqui aquático, substituindo o barco por um cavalo e a água pela neve, então prepare-se para conhecer a nova moda que faz furor na montanha.

jöering é uma tradição sueca que remonta a 2 500 a.C., quando os habitantes de terras nórdicas tiveram a ideia de utilizar seus esquis e seus cavalos para transportar as mercadorias por sobre as regiões cobertas pela neve. Mais recentemente, a prática dessa modalidade ganhou um toque mais lúdico, até mesmo competitivo. A princípio, foi um esporte de demonstração nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1928, em Saint-Moritz, depois de ter sido introduzido na região pelos suíços e grandes entusiastas dos esportes de inverno de outras nacionalidades. Na França, foi preciso esperar até 1990 para que o esqui joëringganhasse realmente popularidade, tanto em competições quanto para diversão.  E, nesses últimos tempos, na região da Haute-Savoie, essas duas palavras se transformaram em sinônimo de prazer.

Estou a quase 50 quilômetros ao sul de Genebra, no vilarejo de La Clusaz,  no alto de um belo vale da Haute-Savoie. Com o Alpe de Huez e Chamonix, este é um dos raros lugares na França– e na Europa toda–, onde é possível se tomar as rédeas para esquiar atrás de um cavalo dos fiordes escandinavos, uma pequena, mas robusta raça de cavalos das montanhas da Noruega.

Julian Fournier, nativo da Haute-Savoie, meu guia de Aravis Passion, assegurou-me que tudo se sairia muito bem, mesmo fazendo muitos anos que eu não colocava os pés sobre esquis (eu me converti há muito tempo ao snowboard) e mesmo se minha experiência com os cavalos se limitasse a passeios com pônei com minhas sobrinhas. « Você só precisa manter seus esquis em paralelo e, quando você quiser frear, levantar com firmeza a barra », disse ele. Parecia simples. Então coloquei os esquis (é necessário que eles tenham menos de 1,5 metro de comprimento para não correr o risco de o cavalo tropeçar) e fiquei atrás de meu nobre cavalo que, para reforçar minha confiança, chamava-se Quick.

« Vai! », gritou Julien, levando sua carga atrás de outro magnífico, e nós nos lançamos em um caminho de neve compactada, com as montanhas de Aravis ao fundo e branco a perder de vista.  Os cavalos tomaram velocidade apertando o trote, e eu me lancei nas curvas, voando atrás de Quick sobre qualquer obstáculo que aparecesse na pista.

Quando o percurso exigiu mais técnica, Julien parou e me deu conselhos sobre como enfrentar a próxima etapa, com uma descida que eu considerava trabalhosa. Aprendi com facilidade os termos em francês descrevendo o que nós, norte-americanos, chamamos de técnica do snow plow (limpa-neve). Fiquei surpreso e encantado pela velocidade e suavidade com que surfamos sobre a neve, pelo sentimento de liberdade que me invadiu e pela confirmação que, sabendo me sustentar sobre os esquis, eu posso me soltar na velocidade do trote de um animal tão bonito, em uma grandiosa paisagem.  E além de tudo, não posso me esquecer da pizza com cobertura de reblochon, famoso queijo local, assada no forno à lenha, que me espera no meu retorno ao vilarejo.

 

Aravis Passion: +33 (0) 4 50 02 48 51, 564 route du Ranch, 74220 La Clusaz, www.aravis-passion.com