As Calanques Agrestes de Marselha

  • © Micaleff

As Calanques Agrestes de Marselha Marseille fr

Por Mary Winston Nicklin

 

Marselha é famosa por muitas coisas – bouillabaisse, a vitalidade do hip hop, um time combativo de futebol (com fãs ainda mais combativos) -, mas paz e calmaria não é uma delas. Localizado às portas da segunda maior cidade da França, o Maciço das Calangues é uma espetacular área erma situada ao longo de 20 quilômetros da costa mediterrânea: aqui, passagens semelhantes a fiordes são conhecidas como calanques, estruturas escavadas em despenhadeiros de calcário que se debruçam sobre o mar turquesa. Declarado oficialmente parque nacional em 18 de agosto de 2012, Calanques é o mais novo parque nacional da França desde 1979.

O décimo parque nacional francês é fabulosamente primitivo. Nas cercanias da cidade, mas longe do ritmo metropolitano de Marselha, esta paisagem rugosa a princípio parece hostil à vida silvestre. Pinheiros agarram-se aos declives banhados pelo sol, dobrados em ângulos caprichosos esculpidos pelos ventos. A flora e a fauna são férteis e aqui nascem algumas espécies raras – como uma orquídea chamada Ophrys massiliensis, existentes apenas aqui. A região abriga o ninho da águia bonelli, do falcão-peregrino e da grande coruja-de- chifres, cujo chamado pode ser ouvido a ecoar pelos despenhadeiros durante o pôr do sol no inverno. O ameaçado Lézard ocellé, o maior lagarto da França, esconde-se entre os seixos rolados; javalis e raposas são vistos em meio aos arbustos. Ao todo, 140 espécies de plantas e animais ameaçados de extinção contam com proteção em terra, junto com 60 espécies marinhas.

Mesmo com 1,3 milhão de visitantes que desembarcam na região durante o todo ano, ainda assim ela oferece descanso da agitação da cidade. Alpinistas seguem a trilha GR98 que vai de Les Goudes, cidadezinha a sudoeste de Marselha, até Cassis. O arquipélago de Riou tem vistas divinas – atenção apenas à necessidade de levar água (não há nascentes ao longo do solo árido). Além da emoção do surfe, viciados em adrenalina escalam os despenhadeiros de um dos destinos mais procurados da Europa. Adoradores do sol bronzeiam-se nas praias localizadas em abrigos onde barcos flutuam presos por âncoras.  Você não é exatamente do tipo marinheiro? Então pode partir em um cruzeiro de Marselha ou alugar um caiaque para explorar os recantos e fendas.

Esta é uma Côte d’Azur bem diferente da imaginada pela maioria das pessoas. É um lugar distante da glamourosa Riviera dos iates atracados em Antibes, dos clubes noturnos de celebridades de St. Tropez e dos cobiçados recantos praianos de Cannes. Mas o Maciço das Calanques tem sido louvado como local de moradia há milênios. Evidências da presença humana remontam a 27 mil anos na soberba gruta Henri Cosquer, uma caverna submarina decorada com pinturas pré-históricas que exibem pinguins e focas, frequentadores da área em tempos de clima mais frio. Já as singulares cabanas de pescadores (cabanons), que se tornaram famosas em diversas canções pop dos anos 1950, são parte da cultura de Marselha.

O objetivo do parque  nacional é proteger este patrimônio humano, que conta com 8.500 hectares terrestre e 43.500 hectares marinhos, juntamente com seus habitantes silvestres.Dentro do parque, os visitantes podem colher cogumelos e ervas aromáticas como tomilho, erva-doce e alecrim para uso doméstico. E assim, por meio do turismo sustentável, a coabitação pacífica pode continuar.