Biarritz: o pequeno porto de pesca transformado em destino indispensável

Biarritz: o pequeno porto de pesca transformado em destino indispensável

   A história de Biarritz, um discreto vilarejo basco de pescadores, é muito antiga. Foram Napoleão III e a Imperatriz Eugénie, a realeza da Europa, e as famílias ricas da época que fizeram deste destino selvagem um dos mais famosos. Assim, Biarritz tornou-se uma cidade balneária de notoriedade internacional.

  Antes, somente a realeza européia, de Elizabeth da Áustria ao duque de Windsor, hoje,  escritores, banqueiros, artistas e grandes costureiros frequentam Biarritz. Desta época datam essas residências de estilos os mais excêntricos e construídas por arquitetos de renome sintetizando os caprichos de seus clientes afortunados. Esse é um dos charmes de Biarritz, onde as cúpulas azuis da igreja ortodoxa juntamente com os chalés suíços estilizados, onde as casas em art déco convivem com um castelo digno da Bela Adormecida...

  Mas antes de tornar-se uma estação balneária da moda, Biarritz foi um pequeno porto pesqueiro que até o século 17 trouxe fortuna e subsistência aos seus habitantes graças à caça das baleias. Esses grandes cetáceos eram numerosos no Golfo de Biscaia (rebatizado posteriormente de Golfe da Gascogne) e chegavam até a encalhar na praia chamada de « Port Vieux ». Um dia as baleias desapareceram de lá e os pescadores para encontrá-las tiveram que enfrentam as adversidades do alto mar e atravessar o Atlântico até a Terra Nova à bordo de suas pequenas embarcações. No Museu do Mar de Biarritz foi reconstituída a epopeia da caça das baleias.<?xml:namespace prefix = o />

  Foi no século 19, todavia, que o pequeno porto de pesca saiu do anonimato para virar moda nunca mais refutada.

  A Imperatriz Eugénie conhecia bem Biarritz, quando criança, passava ali suas férias. A bela condensa espanhola, coroada imperatriz dos franceses, nunca deixou de lá retornar. Para agradá-la, Napoleão III fez construir à beira mar a Villa Eugénie. De seu refúgio a imperatriz atraia artistas e a realeza, foram festas e bailes à fantasia acompanhados de jantares refinados.

  O charme de Biarritz resiste até hoje. No platô da Atalaia, os sinaleiros da torre de vigia que anunciavam a chegada das baleias foram substituídos por um jardim. A Grande Plage é sempre um convite aos banhos de sol e aos mergulhos nas ondas.

  Do farol na Ponta de Saint Martin, tem-se uma vista panorâmica estupenda sobre a baía e as montanhas dos Pirineus. Um desfile de lojas, as tentações de boas compras se renovam. A noite se aproxima, então, as pessoas amam fazer um passeio ao porto dos pescadores onde os frequentadores depois de momentos de liberdade reencontram sua « crampotte », cabana típica da região. Essas pequenas moradas outrora destinadas aos pescadores acolhem, hoje em dia, alguns moradores privilegiados de Biarritz, amantes do mergulho submarino e da vela em sua maioria. Os surfistas o consideram um local perfeito para encontrar seus amigos. E, se seus bons pressentimentos surgirem, tente sua sorte no Cassino assim como faziam os grand-duques do passado. 

Biarritz através da fotografia

Das caças às baleias ao seu Museu do mar, seu farol, sua cidade: a arquitetura marcada pela nobreza, a monarquia, os artistas de outrora e da contemporaneidade.

 

Para mais informaçõeswww.biarritz.fr

Ofício de Turismo de BiarritzEndereço: Square d'Ixelles64200 BiarritzTel.: +33 (0)5 59 22 37 10

 

 

Voltar para a Newsletter