Bem-vindo à primeira edição web da FranceGuide para o Viajante Judeu.

Bem-vindo à primeira edição web da FranceGuide para o Viajante Judeu.

Esta é a primeira edição eletrônica desse guia, cuja publicação foi iniciada há quase quarenta anos. Temos algumas informações interessantes e atualizadas para você. Aproveitamos as tecnologias mais modernas e acrescentamos podcasts para algumas de nossas seções. Assim você pode levá-las no seu MP3 player.<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 O encanto da França está inserido em seu magnífico patrimônio natural, histórico e cultural. Mas somente isso não seria suficiente para tornar a França, o destino turístico mais visitado no mundo. Então, podemos acrescentar o povo francês em toda a sua diversidade, o patrimônio gatronômico do país, e o estilo de vida dentro de uma mistura bastante rica. Coloque todos esses ingredientes juntos e você terá a Belle France.

A comunidade judaica da França é a terceira maior do mundo. A história judaica na França se  estende há mais de 2.000 anos. No entanto, apesar das vergonhosas tragédias que abateram a comunidade judaica, a França foi e continua a ser um centro da vida Judaica e compartilha um  forte vínculo com seus cidadãos judeus.

Sabemos que teremos que fazer um pequeno esforço para lembrar você e o viajante judeu de que a França é um destino que vale muito a pena visitar. E por quê? Porque os laços históricos e culturais que unem a França ao povo judeu vão muito além do turismo. Siga uma dica de Benjamin de Tudela, um viajante judeu do século 12, cujos escritos nos trazem retratos vívidos das comunidades judaicas de seu tempo. Venha para a França e descubra por si mesmo o mundo dinâmico e vibrante das comunidades judaicas da França. Admire as sinagogas e monumentos, aproveite o estilo judaico e a cozinha kosher deTsarfat (a palavra hebraica para a França), e se encante com os bairros antigos das cidades, por todo o país. Entenda por quê o ditado judaico "heureux Dieu comme en France" (tão feliz como Deus  na França) é tão verdadeiro hoje, como era na Idade Média!

Toni L. Kamins, editor e colaborador.