O Degas e o nu no Museu de Orsay

De 13 março 2012 a 02 julho 2012
  • Exposição Degas e o Nu

    Exposição Degas e o Nu

O Degas e o nu no Museu de Orsay 1 Rue de Bellechasse Paris fr

O Museu de
Orsay faz uma retrospectiva da obra de Degas (1834-1917) e a sua evolução no
que diz respeito à pintura do nu enquanto expressão artística. A exposição
teve início no dia 13 de março e termina no dia 1º de julho.

Depois da
grande exposição sobre o artista em 1988, o Museu de Orsay lançou-se nesta
retrospetiva dando ênfase à evolução do seu trabalho no retrato do nu e do
movimento do corpo feminino. Degas é universalmente reconhecido como o
grande mestre das figuras em movimento, um hábil desenhista e um grande
inovador na arte do retrato.

As suas
obras são consagradas pela inigualável técnica e originalidade das composições.

À boa
maneira de um voyeur (ou como alguns arriscariam chamar de misógino), Edgar
Degas mantinha uma estranha relação com mulheres de tutus e corsets. O seu
relacionamento com as mulheres foi breve. O que é estranho para um homem
que dedicou a sua vida para estudar os movimentos, as atitudes, com minuciosa,
quase obsessiva atenção, das mulheres, dizia aos amigos, faziam muito bem em se
interessar pela banalidade da moda, porque ao contrário, na falta de tal
interesse, tornariam a vida dos homens mais difícil.

Quando o
pintor inglês Walter Sickert divulgou os métodos de pintura de Degas, os quais
consistiam em espiar raparigas através de buracos de fechaduras e portas
semi-abertas, a imprensa britânica acusou o francês de pornografia. Mas o que
faltava ao Degas no que diz respeito às (boas) maneiras do dia-a-dia, ele
ganhava na audacidade e aperfeiçoamento artístico, pintando e esculpindo à sua
maneira o corpo feminino de uma forma cada vez mais fluída. Redefinindo até, em
termos artísticos, como a mulher nua podia ser retratada. Acabou por relaxar a
postura das modelos adotando ângulos e, delicadamente, quase de uma forma
amorosa, delineando-os de uma forma bonita e suave.