Os Grandes itinerários de caminhada da França

By : Philippe Bardiau | Published on 21 janeiro 2013
  • Les grands itinéraires de randonnée en France

    Les grands itinéraires de randonnée en France

    © ATOUT FRANCE/Hervé Le Gac

  • Les grands itinéraires de randonnée en France

    Les grands itinéraires de randonnée en France

    © ATOUT FRANCE/Michel Angot

  • Les grands itinéraires de randonnée en France

    Les grands itinéraires de randonnée en France

    © ATOUT FRANCE/Fabrice Milochau

Os Grandes itinerários de caminhada da França 75000 Paris fr

Os famosos GR e outros percursos históricos de peregrinos cruzam toda a Europa, mas adquirem todo seu sentido na França, explorando paisagens excepcionais e evocando temáticas de sucesso: Grandre traversée des Alpes, os caminhos de Santiago de Compostela, sentier des Douaniers, do lado da Bretanha ou nas pegadas de escritor viajante ou os passos do escritor-viajante Stevenson em Cévennes...

As referências essenciais da  Fédération de la randonnée

A ideia de marcar um percurso nasceu em 1842, na floresta de Fontainebleau! Mas o conceito da trilha GR (caminhadas) foi inventado em 1947, no lado de Sologne (Orleans): 20 anos atrás, clubes de alpinistas e caminhantes figuram como pioneiros, antes de renomear "clubes de caminhante"!
O Comité National des Sentiers de Grande Randonnée (CNSGR) reunia então na época o Touring Club de France, o Camping Club de France, o Club Alpin Français, o Club Vosgien, os turistas marselheses e os movimentos de escotismo ou ainda Albergues da Juventude. Uma estrutura de gestão associativa será então consolidada sob o estatuto da federação esportiva em 1985.

Hoje, a rede francesa tem não menos de 180.000 km de trilhas marcadas GR e PR, que se estendem a 20.000 km de trilhas em 23 países vizinhos!
Alguns GR são criados na íntegra e outros retomam os rastros históricos e se conjugam assim com tradições ancestrais, como a peregrinação a Compostela.
A federação publica uma coleção completa de livretos "topos-guias" (por toda a França).
Ela difunde, também, em seu site, conselhos e um modo de emprego, que trazem as referências práticas necessárias para quem faz longos percursos.



Exemplos

  • Angers, jardins de Fontainebleau, sources de Durance (nos Altos Alpes), terra de trovadores em Haute-Corrèze (Limousin), etc.
  • A FFRP também organiza caminhadas-desafios (aproximando-se da corrida com orientação) para aqueles que têm o espírito de competição (em família)! Ela incentiva excursões "Caminhar para todos", onde os caminhantes experientes compartilham sua paixão com as pessoas com deficiência e os mais desfavorecidos.

Lembrete: o mapa do caminhante implica respeito às regras e ao meio ambiente

  • Permanecer nas trilhas demarcadas para evitar a erosão e a degradação de terrenos às vezes frágeis inclinados, limitar-se na colheita de flores, não perturbar os animais sob o pretexto de observá-los de perto, não trazer seu cachorro (que necessariamente perturbar a fauna local), levar consigo seus resíduos de piquenique, etc.


Percorrer a França em velocidade...

  • Os Camimhos de Compostela: um patrimônio mundial e ACIR:

A origem do percurso remonta ao século x e seu sucesso implicará, até mesmo, a primeira narrativa descritiva medieval “maneira topo-guia”: o Codex Calixtinus! Hoje, o mais cobiçado dos 4 percursos franceses para Santiago de Compostela é a Via Podensis, que liga Genebra ao col de Roncevaux (País Basco), passando por Puy-en-Velay, Conques, Figeac. Ele se conjuga com o GR 64. A linha dupla "vermelha e branca" se junta ao logo estilizado da coquille Saint-Jacques.

  • O chemin de Stevenson, conhecido como GR 70, através de Cévennes, o escritor-aventureiro escocês Robert-Louis Stevenson efetivamente o atravessou a pé (e com um burro de carga como companheiro) um pedaço de Auvergne e especialmente Cévennes, ao sul, ou seja, 252 km em 12 dias! essa viagem à terra dos Camisards (protestantes rebeldes por volta de 1700, após a revogação do Édito de Nantes por Louis XIV), entre Puy-en-Velay e Alès cruza, principalmente, as cristas do mont Lozère (a 1.699 m de altitude). Ele é doravante simbolizado pelo traçado do GR 70.
  • Beira-mar...
    Em torno da baía do Mont Saint-Michel

O GR 223 corre ao longo do litoral da Mancha (lado oeste de Cotentin, lado Normandia) da baie des Veys (onde, por vezes, pode-se observar uma pequena colônia de focas!) na baie de Saint-Michel, greves (praias de calhau) e herbus (pré salgados e pastos para as ovelhas).
O GR 34 continua a obra do lado da Bretanha...



Sem mencionar... o litoral bretão pelo GR 34 (ex-sentier des Douaniers )

  • Nas montanhas...

A grande travessia dos Alpes franceses , através de GR 5

O GR 5 conecta a Bélgica ao Mediterrâneo por Vosges e Jura... depois, o coração dos Alpes, explorando os maciços emblemáticos e o mundo da altitude, entre pastagens de montanha e moréias glaciais, às vezes mais de 3.000 metros! Esse eixo montanhoso do GR 5 acaba de ser, também, prolongado pela criação de uma travessa do arco alpino chamada de Via Alpina: um belo desafio!
O GR 5 dos Alpes franceses, portanto, conecta o lago Léman ao Mediterrâneo, a área em torno de Evian à Nice, explorando os maciços du Mont-Blanc, de la Vanoise, des Ecrins, du Mercantour. A viagem é, raramente, realizada em sua continuidade (15 a 20 estágios de cerca de 20 km), mas os caminhantes apaixonados inevitavelmente percorrem por pedaços essas magníficas trilhas de alta montanha.

  • O TMB, Tour do Mont-Blanc
    Esse Este circuito em loop promete dez dias de caminhada inigualável, com vista incomparável sobre as diferentes faces do maciço mais alto da Europa, passando pela Itália e pela Suíça. As trilhas com flancos de vertente (ditas "em balcão") permite admirar e flertar com os picos e geleiras impressionantes: os contornos indispensáveis!
  • A travessia dos Pirineus, pelo GR 10

A cadeia dos Pirineus estende-se por quase 400 km entre o Atlântico e o Mediterrâneo, fornecendo várias atmosferas: colinas verdes do País Basco, picos selvagens do Pic d’Ossau ou du Vignemale, falésias do cirque de Gavarnie, lagos e plateaux de l’Ariège ou do mont Canigou, versão catalã. Na terra dos ursos (raros) e do izard (primo da camurça), qualquer caminhada promete, especialmente, o encontro com as paisagens e personagens coloridos! As trilhas também cruzam "portas", identidade local das gargantas.

  • Em toda a ilha de beleza...

Córsega, entre o mar e montanhas, no GR 20

Esse deslocamento selvagem sobe e sobe novamente de Calenzana (debruçada em Calvi) a Conca (a montante de Porto-Vecchio), atravessando picos de mais de 2.500 metros de altitude (massif du Cinto, massif du Renonso, aiguilles de Bavella). Uma diagonal excepcional entre florestas alpestres e maquis mediterrâneos mas exigentes fisicamente e tecnicamente. Cerca de vinte (e longas) etapas são marcadas por abrigos (acampamento proibido), mas a questão vale a pena algum esforço.

  • E ainda muitas outras ideias...

As montanhas do Jura ao longo da GTL &
Na (re)descoberta do maciço central, GR 4 e GR 30


Ballons et Hautes-Chaumes: Vosges majestosos

E, também, declinações...

Turismo equestre: caminhadas, versão "a cavalo"
Milhares de quilômetros de caminhos marcados por um traço laranja e centenas de centros equestres oferecem aos "cavaleiros nômades" um área de recreação única na Europa.


Mountainbike: caminhadas, versão "bicicleta"
Muitos percursos tomam pistas florestais ou de pastagem suficientemente largas para fazer coabitar todos os estilos de caminhantes, incluindo os entusiastas mountainbike.

Related videos

 
 

Sponsored videos

 
 
 
 

A ver

Calendário

Ponto de interesse